jovens sentados

Muito se fala de clericalismo na vida da Igreja. Mas afinal, o que é que se entende por esta palavra?

O padre, qualquer que ele seja, não deve ser uma espécie de chefe, centrando tudo em si, sem ouvir os leigos. Por sua vez, os leigos devem ter a sã ousadia de dar a sua opinião, mesmo quando ela não coincide com a do padre. Dizer ao padre, como tantas vezes ouvi: “Como o senhor padre fizer está bem feito” é a pior colaboração que podem prestar”. Não estou a falar apenas de paróquias, mas da vida da Igreja em geral

Mas há outra forma de clericalismo. Alguns leigos, sem querer, caiem no defeito de procurar poder e protagonismo. Todos temos de ter sempre presente a palavra de Jesus: “Eu vim para servir…”O desprendimento mais difícil é de cariz espiritual. Onde mais se sente a falta dos leigos é no meio do mundo, nas coisas seculares, isto é, na família e nas mais diversas profissões. O magistério supremo da Igreja é muito claro sobre esta matéria.